A pergunta que fizemos no boletim anterior é a seguinte: Que lições de ótimos nós aprendemos com estes dois cegos do texto? 1. Eles não viram no silencio de Deus uma rejeição. No texto a gente percebe que Jesus não os atende quando eles pedem, mas também não os manda embora. Eles perseveram seguindo a Cristo clamando por misericórdia apesar do silencio do Senhor. Isso nos ensina que a menos que sejamos enxotados por Deus devemos continuar clamando. Muitas vezes, no nosso relacionamento com Deus a gente parte do princípio que não vai dar certo, não vai funcionar, Deus não vai nos atender mesmo. Com essa atitude pessimista vamos cavando a nossa própria cova. A principio aqueles cegos poderiam ter dito: “A única coisa que temos de Jesus é o seu silencio, então vamos desistir”. Mas, mesmo com o silencio e o aparente indiferentismo de Jesus, persistiram em pedir, insistiram em clamar. Portanto não esmoreça, porque Deus tem o seu tempo e Ele não desistiu de você. Deus jamais desiste de nós, a sua Palavra está repleta de princípios que nos mostram isso. Por exemplo, a Palavra de Deus diz: “Eu faço misericórdia até mil gerações daqueles que me amam e guardam os mandamentos”; O Salmista disse: “Porque se meu pai e minha mãe me desampararem, o Senhor me acolherá”. O profeta Isaias disse: “Mas tu és nosso Pai, ainda que Abraão não nos conhece: Tu é ó Senhor, é o nosso Pai”. Jeremias disse: “Porque as misericórdias do Senhor são a causa de não sermos consumidos, e as suas misericórdias não tem fim”. É por causa disso que eu sei que Deus não desistiu de mim, e porque eu sei que Ele não desistiu de mim vou continuar clamando pois Ele me acolherá.

FÉ NUNCA É DEMAIS Mt. 9:27-31 (parte 2)