No texto anterior nós aprendemos com os textos acima 1. Que a nossa urgência não significa emergência para Deus. Deus tem o controle de todas as coisas e sempre sabe o que vai fazer. 2. O texto ensina que Deus cuida de nós particularmente, mas não exclusivamente. É comum querermos toda atenção quando estamos numa situação desesperadora. Embora a necessidade de Jairo fosse urgente, isso não significava que ele teria um tratamento exclusivo por parte do Senhor Jesus. Porque no seu caminho o Senhor Jesus tinha uma pobre mulher que precisava muito de ajuda. Era como se Jesus dissesse: Eu vou olhar para você particularmente, vou olhar para a sua necessidade individualmente, mas não exclusivamente. Isso nos ensina que Deus não tem filhos exclusivos. Ele quer abençoar a todos. Quando eu digo: Senhor o teu braço forte me sustentará neste dia, tua mão me guiará, isso quer dizer que tenho a bênção de Deus de uma forma específica, mas não exclusiva. Jesus estava a caminho da casa de Jairo para curar sua filha, mas de repente aparece uma mulher sofrida precisando de uma intervenção especial de Cristo. Por mais urgente que fosse a necessidade de Jairo, Jesus tinha benção suficiente para esta mulher também ser curada do seu mal. Interessante é que ao invés de Jairo ficar ressentindo com a atitude de Jesus de parar, mesmo sabendo da sua urgência, com certeza ele teve a sua fé robustecida ao ver Jesus curando aquela mulher enferma. Se Ele pode curar uma mulher que sofre há doze anos, pode também curar a minha filha, que coincidentemente, tem doze anos. A sua fé ficou mais forte. Continuaremos no próximo número e que Deus nos ajude a entender que Deus cuida de nós particularmente, mas não exclusivamente.

A URGENCIA DO MILAGRE Mt. 9:18-26; Mc. 5:21-43 (parte 2)