Jesus estava iniciando o seu ministério e passando pela cidade de Cafarnaum vê Mateus e o chama dizendo: “Segue-me”. Mateus deixa tudo e segue a Jesus, tendo a sua vida transformada.  Resolve então dar uma festa, um banquete para o qual convida, além de Jesus, os seus amigos. Os fariseus, bronqueados, porque Jesus estava participando de uma festa com os pecadores pergunta: “Por que come o vosso mestre com publicanos e pecadores?” Jesus responde: “Os são não necessitam de médicos, e sim os doentes”. Aprendam o que diz as Escrituras: “misericórdia quero e não holocaustos; pois não vim chamar justos e sim pecadores ao arrependimento”. Enquanto Jesus estava dando esta explicação para os fariseus, chegaram os discípulos de João Batista trazendo também uma questão: “Por que jejuamos nós, e os fariseus muitas vezes, e teus discípulos não jejuam?” Na companhia de Jesus era sempre alegria, era gostoso estar na sua presença. Jesus então respondeu: “Podem estar tristes os convidados para o casamento, enquanto o noivo está com eles?” Se você vai a uma festa de casamento tem que ter alegria. Jesus, na verdade está dizendo o seguinte: Eu sou o noivo e aqui estão os meus convidados que são os meus discípulos. Nesse contexto Ele conta duas parábolas, na primeira Ele ensina que ninguém deve remendar uma roupa velha com pano novo, porque sendo o pano novo forte vai acabar rasgando a roupa velha, assim como ninguém deve colocar vinho novo, vinho que está fermentando em odres velhos, porque a fermentação vai acabar por romper o odre velho e será prejuízo. Isso quer dizer que existe uma possibilidade para cada necessidade. Será que o Evangelho de Cristo tem possibilidade de me alcançar na minha necessidade? Sim! Que lições práticas aprendemos com estes ensinos de Jesus?

MUITO MAIS QUE UM REMENDO Mt. 9:10-17