Esta é uma palavrinha bem curta, mas de que força tremenda! É ele que separa, em nossa meditação de hoje, a vontade de Deus da vontade do homem. É a condição que Deus estabelece ao homem para o derramamento de suas bênçãos. Muitas vezes, pretendemos eliminar esta condição e impor a execução das bênçãos divinas.

Os versos 8-10 do texto acima trazem, ao inicio, esta conjunção condicional “SE”, fazendo dela uma barreira de separação entre as bênçãos e as maldições.

SE cada um de nós nos colocarmos, como “barro maleável” nas mãos do Supremo Oleiro, Ele nos tornará em vasos de bênçãos. Às vezes, o Oleiro tem que retirar alguns pedregulhos que estão misturados ao barro, a fim de não permitir que eles desvalorizem o vaso. Que maravilhoso sabermos que, estando realmente nas mãos do OLEIRO, Ele vai tirar os “pedregulhos” e nos preparar para sermos úteis na sua causa.

Outro fato que pode prejudicar o trabalho do oleiro é estar o barro ressecado, sem condições de ser amassado e moldado; então o Oleiro usa água, para amaciar o barro. Em termos Teológicos, isto se chama QUEBRANTAMENTO. Salmo 51:17 diz “…a um coração quebrantado e contrito não o desprezarás, ó Deus”. Quase sempre a água que vai “amaciar” o “barro” que somos, serão as nossas próprias lágrimas.

Pense nisto: “Estou realmente sendo moldado pelo Senhor”?

Ore agora assim: “Senhor, não te peço tanto que me dês bênçãos, mas que me tornes uma benção”.

“SE” Jr. 18:1-12